domingo, 3 de julho de 2016

Dos ares do "campo" às voltas pela cidade




O ar puro que se respira, fora dos grandes centros urbanos, não tem igual. O tempo passa mais devagar e o cansaço ao fim do dia faz-nos sentir bem (pode parecer contraditório, mas é revigorante).
Apanhamos morangos, ameixas, regaram-se as flores e as crianças andaram de baloiço. Actividades simples, que são aquelas que acabam por criar as memórias mais felizes





Aproveitamos o primeiro Domingo de Julho para visitar o Museu dos Coches, (vejam aqui a lista de museus incluídos nesta iniciativa da Direcção Geral do Património Cultural que abrange o primeiro Domingo de cada mês). Foi a primeira visita que fizemos com a Alice a um museu: teve aspectos positivos e outros nem por isso...


Não estava a tocar, apenas apontar para o símbolo que reconheceu, da bandeira portuguesa...
O museu tem muitos elementos atractivos para os mais pequenos, nomeadamente os carrinhos de criança, cujo tamanho se torna irresistível (são mesmo à medida)... Este factor aumentou exponencialmente a capacidade de esquecer a recomendação de não passar as fitas delimitadoras, cuja função explicamos desde o início da exposição e repetimos muitas vezes, ao longo da mesma.


Uma das várias fugas para lá das fitas
Não é fácil transmitir a uma criança de três anos que o tocar em objectos antigos vai deteriorando a sua conservação e que se cada visitante fizer o mesmo, vai "apagando", a pouco e pouco, pedaços de História (esta expressão não é minha, mas da minha irmã, sempre sensível a estes aspectos, visto ser esta a sua área de formação). Adicionalmente, os pedidos pontuais de colo, com o peso actual da menina da mamã são um verdadeiro desafio à coluna do papá e da mamã. O Afonso esteve a dormir todo o tempo da visita.
Para todas as mamãs e papás, tias e tios, avós e avôs que visitaram o antigo e fascinante museu dos coches situado no Picadeiro Real, e ainda não conhecem o novo, creio que vão achar este espaço muito mais impessoal e descaracterizado, onde a colecção acaba por transmitir a sensação de estar "amontoada" e perder a sua magnificência.




À saída, com o calor que se fazia sentir, demos um pulo ao Santini para nos deliciarmos e refrescarmos com saborosos gelados.



Até já!



Sem comentários:

Enviar um comentário

Todos os comentários estão sujeitos a moderação, pelo que após a mesma, serão publicados