sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Uma escolha para a vida





Em cada gravidez, com a vida que se gera dentro de nós, cresce um amor sem medida pelo bebé que se desenvolve e que acompanhamos com todo o cuidado, nas consultas, nos exames, na alimentação e na preparação para acolher o nascimento dos nossos filhos.
Nessa preparação, há um sem número de decisões que tomamos, algumas simples e intuitivas, outras que requerem reflexão e informação. Uma delas é a opção (ou não) pela criopreservação das células do sangue e células do tecido do cordão umbilical.

Crédito Fotográfico - Teresa Noéme Fotografia


A nossa decisão para a menina da mamã foi um sim redondo e mantém-se para o menino da mamã. Embora saibamos que as aplicações médicas destas células ainda têm um longo caminho a percorrer, é mais uma segurança que queremos para a saúde dos dois e que, no entanto, esperamos nunca necessitar de utilizar.

Crédito Fotográfico - Teresa Noéme Fotografia

A seguir ao primeiro sim em relação à criopreservação, cabia-nos escolher o parceiro para assegurar o tratamento das células. Após pesquisa e leitura de muitos elementos, optámos pela Cytothera
Uma das principais razões para esta nossa opção é a sua aposta contínua na investigação, através da parceria que estabeleceu com a ECBio, de modo a que os métodos e soluções terapêuticas continuem a evoluir, aumentando a resposta aos desafios clínicos que existem, não se limitando a ser apenas um banco de criopreservação. 
Por outro lado e olhando para os aspectos mais práticos, queríamos que o processo de adesão aos serviços fosse simples e acessível (com o calor do Verão, comecei a ter necessidade de maior repouso e a evitar deslocações prolongadas), nomeadamente no que respeita à aquisição do Kit, esclarecimento de dúvidas e envio da documentação.
Tudo começou através de um contacto telefónico, durante o qual fornecemos os nossos dados básicos, para desencadear o envio do Kit. Recebemos um email com as informações relativas à nossa gestora de processo, bem como aos passos seguintes. Curiosamente, no dia da entrega do Kit de recolha, não estávamos em casa, mas a situação foi rapidamente resolvida com o contacto do estafeta e reagendamento para uma nova data e hora definidas. Este "percalço" deu-nos ainda uma maior certeza na nossa escolha, pela facilidade com tudo ficou tratado.




Pelas nossas experiências (a segunda já quase a concretizar-se ;) ) com os preparativos para os dias dos nascimentos, não podemos deixar de alertar que a escolha e adesão aos serviços de criopreservação não devem ser deixadas para a última hora, não só porque o nascimento pode naturalmente ocorrer antes da data prevista, mas pelas informações que devem integrar o preenchimento da documentação (na qual se inclui a intervenção do/a médico/a que acompanha a gestação). 
Em época de férias, é igualmente importante ter o Kit à mão, em caso de viagens mais longas, pois mais vale prevenir que remediar, afastando o risco de chegar o momento e perder a hipótese de fazer a recolha das células.
Sendo esta (criopreservação) uma das questões que mais dúvidas suscita junto dos futuros pais, esperamos de alguma forma ter ajudado através da partilha do nosso ponto de vista, frisando mais uma vez a necessidade de reunir informações e reflectir com calma sobre as decisões a tomar.

Nota: Post em parceria com a Cytothera.

Até já!

2 comentários:

  1. Infelizmente nem da minha filha nem agora do meu menino que está quase a nascer pude aderir devido aos elevados custos serem incompatíveis com o meu orçamento familiar. Mas é algo que recomendo, pois eu acredito plenamente que as células e o sangue do cordão umbilical têm uma importância muito maior do que se vê à primeira vista!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida, Dulce, representa um grande investimento a somar a todos os inerentes ao nascimento de um bebé. Um grande beijinho nosso e tudo a correr bem!

      Eliminar

Todos os comentários estão sujeitos a moderação, pelo que após a mesma, serão publicados